mural

25
Ago

Como fazer bem ao próximo enquanto consome


Por Co_labore

sexta 25 2

O consumo sustentável não é uma pauta nova em discussão, mas segue muito atual. E deixar o tema constantemente em voga é importante não só para pensarmos em um modelo de capital mais justo, mas também para testar alternativas de se construir um mundo melhor. Um dos pilares, nesse sentido, foi fortalecer uma cultura que priorize mais o acesso do que a posse. Pense bem, o que te parece mais interessante: ter uma assinatura de um serviço de streaming ou comprar um aparelho de DVD?

No entanto, ainda que essa cultura do acesso continue cada vez mais expansiva, os mercados para aquisição de bens continuam também amplos – e é fundamental pensar em maneiras de tornar o consumo do dia a dia sustentável.

No Brasil, o interesse em empresas de impacto social vem crescendo e o trabalho realizado por elas, aos poucos, vem ganhando espaço e credibilidade entre a comunidade e possíveis investidores. Entre elas, a Welight traz um modelo interessante em termos de equilíbrio social e ambiental.

A startup criou uma forma de as pessoas contribuírem para ONGs diversas, sem precisar mudar o que elas já fazem habitualmente. Por meio de um aplicativo que é instalado no navegador de internet, a pessoa passa a gerar doações sempre que fizer compras online nas lojas parceiras da Welight, ajudando as ONGs que escolheu.

De acordo com os responsáveis pela empresa, o valor da compra não muda e o usuário também recebe cupons de desconto para compras futuras. Ou seja, seguindo esse princípio, parte do valor daquele bem é revertido como doação. Ao todo, são 28 ONGs que podem ser beneficiadas e a empresa fez parceria com cerca de 1.500 lojas – sendo que a maioria das grandes redes estão entre elas.

Pesquisa feita pela plataforma Pipe.Social neste ano entrevistou 579 empresas de impacto social e apurou que 25% delas precisam recorrer a capital de pessoas próximas e familiares. De um modo geral, o levantamento apontou a grande dificuldade que empresas de impacto social têm de se estabelecerem no mercado nos primeiros anos.

Para continuar lendo acesse: http://g1.globo.com/economia/blog/samy-dana/post/como-fazer-bem-ao-proximo-enquanto-consome.html